17 de dezembro de 2014

Sony decide ceder aos hackers após ameaça terrorista

A Sony vai ceder às demandas do grupo que hackeou sua rede e permitirá que as redes de cinema decidam se querem, ou não, exibir o filme "A Entrevista", apontado como causa dos recentes ataques sofridos pela empresa.
Na terça-feira, 16, o grupo Guardians of Peace fez uma ameaça aos espectadores do título, citando inclusive o atentado de 11 de setembro de 2001. Até então, o problema da Sony se mantinha no campo virtual, mas a escalada da situação acendeu um farol vermelho.

Segundo o Wall Street Journal, ao menos uma cadeia de cinemas aceitou a oferta. A nove dias da estreia, a Carmike Cinemas, quarta maior rede dos Estados Unidos, teria decidido ignorar "A Entrevista".
Geralmente os estúdios de Hollywood e os exibidores negociam com meses de antecedência, mas os cinemas passaram a pressionar a Sony para que esta estreia seja cancelada por completo, porque, mesmo se não houver ataques terroristas, a simples ameaça pode afastar os clientes - um problema ainda maior para os cinemas que ficam dentro de shoppings.

A grande questão em torno do filme é que ele satiriza o ditador da Coreia do Norte, Kim Jong Un. Inicialmente se acreditava que o país asiático estivesse diretamente envolvido nos ataques, mas o próprio FBI descartou a suspeita.
Autoridades também tentam desacreditar as ameaças dessa terça-feira, mas os atores Seth Rogen e James Franco, protagonistas de "A Entrevista", cancelaram uma série de eventos de divulgação.
Fonte:OlharDigital